Progresso e gramática.

Assunção Cristas:

A ministra da Agricultura, Mar, Ambiente e Ordenamento do Território avançou que uma das ideias é incentivar a partilha do automóvel, por ser uma aposta mais barata e fácil de implementar.

A introdução de portagens apesar de estar na mira da ministra, não deverá ser, pelo menos para já, uma prioridade. “É uma questão que está no nosso menu, embora se compararmos com estratégias como o car pooling me pareça mais difícil de implementar”, explicou a ministra. “Numa primeira fase em que o país tem poucos recursos, vamos procurar avançar com soluções mais baratas”, avançou.

O governo pretende ainda reorientar a política energética nacional, que até agora privilegiava uma forte expansão nas energias renováveis.

A ministra clarificou ao jornal que não quer mais barragens, uma das apostas do antigo primeiro-ministro José Sócrates. “O nosso maior desafio não está em acrescentar fontes de energia, está em reduzir os consumos e induzir comportamentos eficientes.”

(negrito meu)

No JN.

A Avenida 24 de Julho, em Lisboa, verá reduzido substancialmente o número de faixas de rodagem em ambos os sentidos, de acordo com a versão final do Plano de Urbanização de Alcântara, que a Câmara de Lisboa poderá aprovar amanhã, quarta-feira, em reunião do executivo.

Segundo o vereador do Urbanismo, Manuel Salgado, a intenção é afastar do centro da cidade a quantidade de veículos que provêm da linha de Cascais. “Temos como política ter menos carros em Lisboa. Ao contrário do que aconteceu durante décadas, em que Lisboa foi sacrificada, trazendo-se mais carros”, alegou, esta terça-feira, Salgado, à margem da Assembleia Municipal de Lisboa.

Actualmente, aquela que é uma das maiores e mais movimentada avenida da capital – pela enorme quantidade de estabelecimentos de diversão nocturna -, passará a ter só duas faixas de rodagem em cada sentido, entre o Cais de Sodré e Alcântara.

Neste momento, aquela via conta não só com três faixas em cada sentido, como outras duas paralelas; onde, de um lado, passam os transportes públicos, e, do outro, há estacionamento da EMEL (Empresa Municipal de Mobilidade e Estacionamento de Lisboa) e os vários acessos aos bairros da Madragoa e Alcântara.

As alterações passam por criar mais espaços verdes e passeios alargados na 24 de Julho. Contudo, alertou Salgado, a agilização do plano que irá ser votado amanhã dependerá, quer da iniciativa privada, quer dos condicionalismos financeiros do município.

No JN.

A Câmara de Torres Vedras anunciou, esta quinta-feira, Dia Europeu sem Carros, que reduziu para 30 km/hora a velocidade rodoviária junto às escolas da cidade, para incentivar a circulação de bicicletas ou a pé pelos cidadãos.

“Reduzimos a velocidade para 30 quilómetros em zonas de grande circulação automóvel e de pessoas por se localizarem junto a escolas e para dar maior segurança às pessoas”, afirmou à agência Lusa o vice-presidente da câmara, Carlos Bernardes.

A autarquia acaba de criar um primeiro circuito para bicicletas, dentro da cidade que, durante o percurso entre as escolas secundárias São Gonçalo e Henriques Nogueira, na maior parte do trajecto é coincidente com a via de circulação rodoviária ou com passeios.

“A câmara não criou um espaço específico para a ciclovia, mas sem grandes investimentos fez coincidi-la com as vias de circulação automóvel ou de peões, onde há passeios com mais de dois metros de largura”, explicou o autarca.

Medidas de baixo custo com máximo retorno? Olhem para Torres Vedras. E para Lisboa, já agora:

Sete bairros da capital, entretanto, vão passar a ser zonas 30, isto é, área onde a velocidade máxima de circulação será de 30 quilómetros por hora. O conceito já existe noutras cidades europeias. Em Lisboa foi experimentado, até agora, apenas no Bairro Azul (perto do El Corte Inglés), mas de forma incompleta. “Não estamos a falar só de sinais de trânsito”, explica o vereador Nunes da Silva. “Isso seria lançar poeira para os olhos. Vamos estreitar as faixas de rodagem, apertar as curvas, sobreelevar as passadeiras, arrumar o estacionamento e deixar espaços para jardins”.

(negrito meu)